Andanças

Nova Iorque

Não foi propriamente uma viagem de turismo puro e dura: estive em trabalho de segunda a sexta em Nova Iorque na sede da Reachdesk para uma série de reuniões com os meus colegas americanos e a direção da empresa.

Ainda assim, para o tempo que tinha disponível, consegui explorar bastante – acho que foi a primeira vez na vida em que o jet-lag me bateu de verdade, o que significa que pouco dormi; em vez de lutar contra isso, me deu para aproveitar e explorar, ou de noite ou de manhã bem cedo.

Realmente é uma cidade incrível – para o meu estilo, até demais, ou seja, adorei visitar, mas não me imaginaria algum dia morando por lá. É tudo em grande escala- tudo é imenso, tudo é intenso, parece que estamos andando em outra velocidade e o nível de informação e de coisas acontecendo à nossa volta é assustador.

Ao mesmo tempo, traz também uma esquisita sensação de familiaridade; “aterrei” no centro através da Grand Central Station e assim que cheguei à rua e vi as sarjetas fumegando, parecia realmente que estava dentro de um dos inúmeros filmes que assisti com NY como pano de fundo.

Logo que cheguei, fiz meio que um speed tour, começando por subir ao Top of the Rock, no Rockefeller Center (alô ex-coleguinhas da NBC!); optei por esse em vez do Empire State Building, achei que era uma experiência semelhante e preferi desfrutar de ver o bichão onde subiu o King Kong de frente, e não por dentro. De seguida, metro até ao memorial do World Trade Center (nenhuma razão de queixa do metro, que tem má fama mas funciona bem e não me senti menos seguro do que em algumas capitais europeias), e por fim peguei o ferry até Staten Island, só para passar por perto da Estátua da Liberdade. O ferry não pára na ilhota da senhora, mas é gratuito e uma viagemzinha tranquila e rápida para quem tem pouco tempo. Vi, saí do ferry e entrei de novo de volta.

Nessa noite, fui logo também a Times Square, que é pertinho do hotel onde fiquei. É obrigatório, impressiona, mas foi claramente o lugar que menos gostei de visitar – uma tremenda multidão a todo e qualquer momento, que está ali claramente só para picar a visita na checklist e tirar as malditas selfies, um bando de personagens “famosas” (Homem-aranha, Mickey, Minions, you name it) tentando impingir fotografias, uma coisa meio sufocante e sem caráter, para o meu gosto. Gostei do rolê aleatório que vi na foto acima – o Pantera Negra e o Chapolin discutindo em espanhol, com o Bumblebee agastado pelo mau ambiente que eles geravam.

Não dá para escapar muito de comer algum tipo de fast food durante uma viagem destas. Fora as cadeias mais comuns, comi no icónico Joe’s Pizza a tradicional e supostamente verdadeira pizza nova iorquina – boa, mas simplicíssima, nada de salientar, mas o que vou destacar e que mais me conquistou foram os bagels da Ess-a-bagel, que são incríveis para qualquer uma das refeições do dia. Me faltou experimentar várias coisas, talvez a principal os pastrami, que vão ficar para se um dia lá voltar.

Mais “fora” assim do que conhecia de memória, gostei de visitar o Chelsea Market, uma ilhota artificial lá em frente do mercado chamada mesmo de “Little Island”, e a biblioteca, a New York Public Library, que bem a calhar e condizer com o bucket hat que levei para proteger a careca, tinha uma exposição dedicada aos 50 anos do hip-hop.

Adorei andar e andar, e uma das coisas que mais gostei é a facilidade de deslocação a pé – além de ser tudo relativamente plano, o fato das ruas e avenidas serem números, faz com que seja muito fácil e intuitivo ir para qualquer lado – se quero ir para a 5ª avenida e estou na 2ª, é só seguir a ordem. Chinatown, Little Italy, o Central Park pela matina, atravessar a ponte de Brooklyn a pé, para quem como eu gosta de explorar a pé, é realmente incrível.

Nesse embalo, aproveitando que o voo de regresso era noturno, andei 27km nessa sexta-feira. Suado que nem um cavalo e com os pés rogando clemência, consegui tomar um banho no aeroporto (Minute Suites no Terminal 4, disponíveis com Revolut Premium) e faleci por dois dias.

I’ll be back.

Standard
Andanças

Dubrovnik

Escolhemos Dubrovnik como o nosso destino de férias de Verão para 2023 meio que por acaso, e a partir de uma premissa simples: tínhamos já marcada uma viagem de dois dias à Eurodisney, e decidimos escolher um destino de praia com voos baratos e relativamente rápidos com partida de Paris. Porque não Dubrovnik?

Uma escolha acertada, mas vou tirar já do caminho a única parte negativa – o voo foi barato, sim senhor, mas é uma cidade bem no hype turístico, e consequentemente cara a todos os restantes níveis – alojamento, alimentação, etc. Nenhum absurdo, mas convém ir mentalizado que não dá propriamente para sobreviver muito no low-cost.

Estar no hype turístico não significou que tivemos que suportar multidões exageradas, pelo menos no período em que fomos (primeiras semanas de Julho); vi muitos comentários por aí de “sobre-população” e da necessidade de encarar filas para tudo, mas não foi, de todo, o caso: Lisboa está bem pior.

Nós não ficamos exatamente no centro – alojamo-nos em Lapad, uma pequena península a Oeste do centro histórico, diferente em geral da “cidade-mãe” por ser uma estância balnear mais recente/renovada e consequentemente com um aspeto mais moderno, mas deslumbrante com a sua enseada natural e o seu conjunto de pequenas praias (todas de pedra) para contemplar e refrescar do intenso calor do verão croata. Foi uma boa escolha, pela maior calma em relação ao centro, ficando a uns meros 15 minutos de lá, com um autocarro praticamente à porta do hotel, barato e com bom funcionamento e frequência.

O centro histórico por dentro das muralhas de pedra é realmente incrível, e nem é preciso grande planeamento ou indicação para explorá-lo – o ideal é vaguear pelas ruas e vielas e perdermo-nos e surpreender-nos por entre os diversos séculos de história que vão nos rodeando. Nem o constante bombardeamento com merchandising e ofertas relacionadas com o Game of Thrones (a série foi parcialmente filmada na cidade e contribuiu para o seu boom turístico) estragam a experiência.

Vale também a curta viagem de ferry à ilha de Lokrum onde, entre outras lendas e misticismos, o Rei Ricardo Coração de Leão se salvou de um naufrágio no regresso das cruzadas. Entre a beleza natural da ilha (incluindo um lago de água salgada – mas não tanto assim para o terem apelidado de “mar morto”), os inúmeros pavões que por lá vagueiam e as ruínas históricas do forte ou do lazareto, é realmente um dia ou uma tarde muito bem passada.

Comemos sempre muito bem – especial menção para um pequenito restaurante escondido numa das escadarias da cidade velha – Barba, o único lugar que repetimos, por unanimidade: tipo fast-food, mas em bom, e com uns anfitriões espetaculares.

Para rematar, o ponto alto da viagem foi um tour de barco (sim, nós somos obcecados com tours de barco) de meio-dia com partida do porto velho e exploração das grutas (Blue Cave, Green Cave, Three Caves – eles não são muito criativos a nomear grutas) das ilhas Elaphiti, incluindo também uma paragem na ilha de Lopud, para desfrutar da espetacular praia de Sunj, a única praia de areia da região, e vários mergulhos nas espetaculares águas do mar Adriático.

Sem sombra de dúvidas, uma viagem incrível e que merece ser recordada. Hvala, Dubrovnik.

Standard
Andanças

Lamego e Douro

Há muito tempo que queríamos explorar mais a região Norte do país em geral e a do Douro Vinhateiro em particular, e aproveitamos uns últimos dias com sabor a Verão em Setembro para começar a fazê-lo. Foram só três, mas tiveram um gosto muito especial.

Ficamos no Hotel Lamego Hotel & Life; o nome pode não ser dos mais criativos ou bem conseguidos, mas o hotel é espectacular. Bem localizado, confortável, no meio de uma quinta com uma vista incrível, com piscina aquecida e conservando ainda uma parte antiga da quinta que lhe dá um grande charme. Não chegamos a experimentar uma refeição no restaurante Comendador porque andamos a explorar em vez de ficar só no hotel, mas a julgar pelo pequeno-almoço (que bomba!) também deve ser muito bom. Tudo um verdadeiro luxo, por um preço interessante tendo em conta os outros hotéis mais “luxuosos” da região.

A cidade é uma verdadeira perdição no que à gastronomia diz respeito; come-se e bebe-se bem em qualquer esquina, portanto acho que nem vale a pena estar aqui a destacar um restaurante ou uma tasca. Para quem gosta de enchidos é um paraíso, e felizmente ou infelizmente nós os quatro gostamos, e muito.

Além dos enchidos, o outro ex-libris da cidade é o Santuário da Nossa Senhora dos remédios, e foi já no dia de regresso que por lá passamos. A Carol estava curiosa com este imponente monumento que vigia a cidade e disse-nos: “pai, vamos embora sem ver a nossa senhora dos xaropes?”

Confusões sinonímicas à parte, vale a pena a subida, seja de carro ou a pé pelos seus 686 degraus, a vista lá de cima é muito bonita e cada etapa da escadaria tem uma espécie de pátio com estátuas, mosaicos e fontes incríveis.

Passando para a foz do rio Douro em si, e para a zona do Pinhão…. já tinha dito que somos fãs de passeios de barco não já? Numa onda completamente diferente de outros que já fizemos, este é absolutamente deslumbrante.

Marcamos o passeio através do hotel, e foi feito com a companhia Deltatur, com embarque no cais do Pinhão. Nós até gostávamos de ter experimentado o tradicional barco Rabelo, mas em tempos de distanciamento optamos por um barco privado só para nós, e foi uma experiência única. A paisagem do rio pelo meio dos vales e das vinhas a perder de vista é qualquer coisa de mágico, e o nosso guia apesar de jovem era muito castiço e conhecedor da história das diferentes quintas.

O único inconveniente foi que estavam perto de 40 graus e tive pena de não ter ido equipado para dar uma mergulho, mas valeu o vinho do Porto fresquinho servido a bordo.

Para finalizar, passamos pelo Porto no regresso mas muito, muito de fugida, quase que só para não deixar passar em branco sem uma francesinha no clássico Capa Negra. We’ll be back.

Standard
Andanças

Portugal dos Pequenitos

Uma das partes boas de viajar com filhos pequenos é que rapidamente eles esquecem das viagens e podemos repetir que será novidade na mesma.

Apesar do último feriado da implantação da república ter calhado no sábado, não deixamos de usar esse fim de semana tão especial para dar um passeio, e pouco mais de um ano depois voltamos a Miranda do Corvo e ao Parque Biológico da Serra da Lousã, do qual não vou repetir o relato, pois o anterior diz tudo sobre a experiência excelente que tivemos, mais uma vez.

A novidade foi que desta vez estava melhor tempo e aproveitamos para regressar por Coimbra e parar no Portugal dos Pequenitos, onde tanto eu quanto a Irina não íamos há muito, muito tempo, e do qual a única memória que eu tinha é que aquilo parecia-me ser enorme.

Lá está, éramos… pequenitos, e à escala tudo parece grande, hoje em dia surpreendeu-nos a facilidade com que em um par de horas (esticadas) vemos e revemos todo o espaço.

Ainda assim, não deixa de ser uma boa experiência e um espaço muito engraçado e com fama merecida, as crianças adoram deambular pelas diferentes casinhas, igrejas castelos feitos à medida deles. Algumas notas principais:

  • Sim, é Portugal dos Pequenitos, apesar de toda a gente dizer que é dos Pequeninos.
  • A parte da entrada, correspondente às antigas colónias, já não faz grande sentido, com uma imagem completamente imperial/colonialista, com uma estereotipagem brutal dos negros selvagens; no entanto, também não creio que faça sentido mudá-la, pois é tão só uma coisa datada, e o verdadeiro público-alvo, as crianças, não verá as coisas por essa lente.
  • O preço que cobram pelo comboio que dá uma mísera voltinha pelo quarteirão da entrada é um assalto, deveria estar incluído na entrada, que sendo aceitável, não é propriamente barata.

Em suma, não é nada de extraordinário, mas tem a sua mística própria e vale sempre a pena.

Standard
Andanças

Alqueva

No mês de Agosto costumamos tentar repartir as férias entre as “nossas” praias da Caparica (que finalmente tem estado em clima de verão) e alguns dias em sítios menos repletos de turistas.

Desta vez a escolha foi a zona em torno do Alqueva, o maior lago artificial da Europa Ocidental. Ficamos na freguesia de Monsaraz, no hotel Vila Planície, um excelente sítio para descansar, com um preço bem razoável para a época altíssima, piscinas separadas para adultos e crianças e pessoal extremamente simpático. Tem também uma parceria com um restaurante muito bom que fica mesmo ao lado, o Restaurante Sem-Fim, um antigo lagar convertido em restaurante, quase um museu pelo muito que conserva do seu aspecto original.

Em Monsaraz há várias coisas a destacar; a praia fluvial e o centro aquático, pequeninos mas muito bem cuidados e organizados, com uma infra-estrutura que é um verdadeiro exemplo do que deve ser uma praia a todos os níveis: limpeza, acessibilidade, apoios, espaços, tudo é agradável, a beleza natural é incrível, a temperatura da água é excelente e a própria praia em si é muito boa, ao contrário de outras praias fluviais não traz dificuldade nenhuma a nível do solo, lodos e afins.

Há também o Castelo, um verdadeiro miradouro privilegiado para a cidade, o Alqueva, o Guadiana e a fronteira com nuestros hermanos, ruas impecavelmente cuidadas e diversos sítios onde comer e beber à grande.

A cereja no topo do bolo foi o Observatório do Lago Alqueva, uma excelente surpresa. O observatório faz parte da reserva “Dark Sky” do Alqueva, certificado como um dos melhores locais do mundo para observação de estrelas; além de por si só o céu já providenciar um espectáculo inesquecível, ainda há este observatório com um telescópio gigantesco que nos permite ver planetas, luas e até uma galáxia vizinha com nitidez. Fiquei verdadeiramente embasbacado com a beleza e a limpidez do céu, não estava à espera de terminar uma viagem ao Alentejo com tamanha viagem pelo universo.

Infelizmente por mais que estivesse entusiasmada, a Carol só aguentou até às 23 e pouco, e só conseguimos ver através do telescópio Júpiter e Saturno, mas ainda assim valeu muito, muito a pena, e de certeza que havemos de lá voltar.

Visitamos ainda outra praia fluvial do mesmo estilo da de Monsaraz, inaugurada recentemente e muito bonita e agradável, na cidade vizinha de Mourão, fizemos a clássica jogada de ir abastecer o carro a Espanha (Villanueva del Fresno) e regressamos pela mítica Évora para abastecer-nos a nós próprios.

Definitivamente, sítios a revisitar.

Standard
Andanças

Barcelona

A última etapa desta nossa viagem de verão foi na Catalunha; com a (semi) volta que demos à ilha não fazia sentido voltar para Cagliari, tendo Alghero um aeroporto ali à mão de semear (a ilha tem três aeroportos, além dos já referidos, também se voa de e para Olbia). Estando Barcelona logo ali do outro lado do Mediterrâneo e mais na direcção de Portugal do que a Itália continental, decidimos juntar o útil ao agradável e conhecer mais uma emblemática cidade.

Não pernoitamos por lá, mas deu para aproveitar bem o dia, porque o nosso voo de Alghero para Barcelona foi logo pela manhãzinha, e o regresso para Lisboa só estava marcado para as 21 (e ainda viria a atrasar mais, como tem sido apanágio da TAP – Take Another Plane).

Desta vez deixamos as bagagens logo no aeroporto, que tem um serviço bastante prático para o efeito, apesar de algo caro: 10€ por cada item, independentemente do tamanho dos mesmos, com desconto de 25% acima de 4 itens. Acontece que tínhamos 2 assentos automóveis de 10€ que compramos no hipermercado para fintar as taxas absurdas do rent-a-car (cerca de 150€ por assentos do mesmo nível), e obviamente não íamos pagar o que eles valiam para guardá-los por algumas horas. Optamos por deixá-los debaixo de uns bancos de uma sala de espera, e quando regressamos à noite lá estavam eles, intactos à nossa espera. Fácil.

A impressão com que ficamos do aeroporto e dos sistemas de transporte de Barcelona é diametralmente oposta à de Roma: o sistema de Metro funciona extremamente bem, está completamente integrado no aeroporto em si (que é gigantesco), e é tudo muito bem sinalizado e com ar renovado. Começamos a visita na Plaça de Catalunya, descemos a famosa e interessantíssima La Rambla, onde comemos umas tapas que nos souberam pela vida (tendo saído de Alghero às 7 da matina, a fome era negra), e aqui descobrimos também o nosso local favorito do dia, de longe: o mercado La Boquería. A beleza das bancadas, a variedade e qualidade de comes e bebes por baixo custo, tudo ali me encantou, e via-me facilmente a ir lá todos os dias, se estivesse por perto.

Como nem tudo são rosas, tanto no Metro quanto no mercado vimos dois furtos de carteiristas, o que nos deixou meio apreensivos para o resto do dia; em cerca de 7 horas a passear na cidade, 2 furtos dá uma média… “interessante”.

Fizemos uma caminhada igualmente épica e inglória até ao Parque Guell, do qual só vimos o exterior, porque não tínhamos marcação e as entradas estavam completamente programadas e cheias, com a primeira a acontecer para dali a muito mais horas do que a as que estaríamos dispostos a esperar, com o calor que estava. Dali um MyTaxi até La Sagrada Familia, que está/estava em obras, mas que não deixa de ser uma obra impressionante.

Ficou faltando (entre outras coisas, obviamente) a zona do Porto Velho e de La Barceloneta e a sua praia, que ficarão para outras andanças.

Standard
Andanças

Itália – Sardenha – Alghero

Alghero foi a última etapa do nosso périplo pela Sardenha, e posso dizer que foi um bonito fecho.

Tendo talvez as piores praias de que desfrutamos na ilha (água ligeiramente mais fria, mais escura, e mar mais revolto), mantém ainda assim uma média elevada, e compensa largamente com o encanto que a cidade em si tem.

O primeiro embate é meio estranho, porque os bairros da entrada da cidade são confusos, de estilo desconexo e até meio degradados, mas toda a zona costeira e principalmente o seu centro histórico emanam uma atmosfera bastante diferente do resto da ilha; mesmo que alguém lá caia sem imaginar que as suas origens são catalãs (antigamente era chamada de “Barceloneta Sarda”), sente logo pelo estilo que algo ali divergiu em tempos.

A melhor experiência gastronómica que tivemos também foi aqui; tentamos primeiro o mais afamado Mabrouk, mas infelizmente não conseguimos reserva para as duas noites em que lá estivemos. Felizmente, e apesar das expectativas estarem em baixo pelas reviews medianas no Trip Advisor e no Google, o Restaurante Mirador foi um excelente surpresa, com marisco e peixe fresquíssimos e elaborados, e uma cozinha agitadíssima digna de reality show culinário (si chefe!). Até o menu das crianças tinha um toque de sofisticação que tornava uns simples panados (se não me engano) em algo bastante apetecível.

Cereja no topo do bolo, os gelados do Igloo, uma pequena cave em que um mestre de gelados com um estilo de cientista maluco serve verdadeiras pérolas artesanais, e faz a delícia dos putos com um também artesanal caixote de lixo falante (!) à entrada.

Nota também para o sítio onde ficamos, um antigo convento tornado em turismo rural familiar, o Alghero Resort Country Hotel muito low profile em comparação com outras opções na cidade, escondido nos arredores (mas a 5 minutos de carro) e com uns hosts espectaculares, que fizeram tudo para que nos sentíssemos em casa, inclusive abrindo a porta da cozinha quando saímos no último dia às 7 da manhã para um pequeno-almoço antecipado com o (ainda assim muito) que estava disponível a essa hora, antes do buffet.

Da Barceloneta Sarda partimos para a verdadeira Barcelona, para uma curta escala antes do regresso a casa.

Standard
Andanças

Itália – Sardenha – San Teodoro

De Villasimius até San Teodoro, no noroeste da ilha e bem próximo à famosa Olbia, ainda são 250km de distância e mais ou menos 3h de caminho, porque parte dele não é em auto-estrada, mas em sobe e desce, e em curvas e contra-curvas. A vantagem é a beleza própria das inúmeras verdes serras que vamos cruzando, a desvantagem o enjoo dos co-pilotos familiares. Tudo superável.

Pelo caminho afora fomos confirmando algo que já tínhamos sentido no sul: a quantidade abismal de borboletas que há em toda a ilha. Nunca vi tanta borboleta na minha vida. Espectacular.

Falando em natureza,também nunca tinha visto toda uma região com uma preocupação ambiental tão forte: em todos os sítios por onde passamos, havia imensos eco-pontos, avisos para separação e respectivas multas, sacos bio-degradáveis para o lixo orgânico (devem ser obrigatórios por lei, porque qualquer tasco de vão de escada tinha), impecável.

Como saímos cedo de Villasimius e o check-in em San Teodoro era só a partir das 15, e queríamos explorar o máximo de locais (e praias) possíveis, decidimos parar para refrescar mais ou menos a meio, numa praia em Bari Sardo. O caminho até lá foi tortuoso, e fez-nos questionar várias vezes se estávamos realmente em algum lugar “civilizado”, mas valeu absolutamente a pena, porque culminou numa praia gratuita (grande parte dos estacionamentos das praias famosas são pagos, ainda que com valores acessíveis), calma e, mais uma vez, com uma água espectacular.

À imagem de Villasimius, San Teodoro é mais um vilarejo simpático com bastante escolha de praias, sendo a mais famosa a Spiaggia La Cinta, bela, extensa, mas também a mais povoada que encontramos na ilha, e a única em que tivemos que andar um bom bocado até conseguirmos estender a nossa toalha.

Seguindo a mesma receita de Villasimius, encontramos outra vila bem organizada em que as principais vias são cortadas ao trânsito à noite, sendo que aqui havia uma escolha ainda maior de restaurantes, bares e feiras de artesanato e de “variedades”. Foi também o único sítio em que comemos todas as noites no mesmo restaurante, Il Mangiatutto, de tanto que gostamos da qualidade face ao preço, e da simpatia do pessoal; pizzas, massas, peixe, marisco, tudo delicioso, e para finalizar em grande e vincar na memória de vez, a Carolina deixou lá o seu segundo dente de leite, o que gerou uma festa imensa dos funcionários e dos comensais em geral!

Mais uma vez, partimos com o amargo de boca de não ter tido nem sinal de flamingos. Fica pra pensar. A próxima e última paragem nesta ilha foi a belíssima cidade histórica de Alghero.

Standard
Andanças

Itália – Sardenha – Villasimius

Depois de uns dias intensos em Roma, partimos num voo nocturno para Cagliari em busca de momentos mais relaxantes; Cagliari é a capital da Sardenha e possui um dos 3 aeroportos da ilha, e a nossa ideia foi partir dali e dar mais ou menos a volta, ficando 2 ou 3 dias em cada sítio.

Como tivemos que largar o apartamento de Roma cedo e o voo era só à noite, deixamos as bagagens nos cacifos automáticos da Stow Your Bags, próximos da centralíssima estação Termini. O serviço é muito prático e com um preço bem acessível comparado com o oferecido pela maioria destes prestadores, que optam muitas vezes por cobrar por item; aqui é enfiar tudo o que couber nos cacifos pelo mesmo preço (e cabe lá muita coisa, são gigantes).

Ainda ponderamos fazer uma viagem de ferry, mas os voos eram tão rápidos e acessíveis (menos de uma hora, cerca de 100 euros para os 4) que rapidamente abandonamos a ideia. Ainda que curta, a viagem acabou por ser meio atribulada, porque partimos com algum atraso e o piloto resolveu dar uma de acelera para compensar.

Chegamos à ilha já perto da meia-noite, agarramos no carro e pernoitamos num hotel próximo do aeroporto, para não fazer uma viagem longa às tantas da madrugada (de Cagliari até Villasimius ainda é cerca de 1h de caminho).

Na manhã seguinte a ideia era conhecer Cagliari e seguir caminho, mas a ressaca de refrescar era tanta que só conhecemos mesmo Poetto, a principal praia da capital, que se estende por cerca de 8 km e que é um bom cartão de visita do que valem as praias da ilha: temperatura à volta dos 24ºC, aquele azul clarinho maravilhoso e uma vista incrível das colinas que a rodeiam.

Depois de refrescar e abastecer partimos então para Villasimius, que excedeu em tudo as nossas expectativas. Começou pelo alojamento, o apart-hotel Residence Fenicia. Aquilo que pagamos em comparação a outras opções que tínhamos visto não fazia antever que era um local tão incrível, dos melhores onde já tivemos o privilégio de estar; vista espectacular, staff familiar, e acesso directo e privilegiado para a praia de Simius, que é simplesmente magnífica, e extensa o suficiente para estarmos completamente à vontade.

A vila de Villasimius também é bastante simpática, sendo que à noite as vias principais são interditas ao trânsito automóvel (um padrão que vimos repetido pela ilha fora) e há bastante comércio, restauração e movimento em geral.

Apanhamos uma ligeira desilusão com os famosos flamingos, dado que… não vimos nenhum. São um dos símbolos mais falados da ilha e estávamos supostamente num local e época privilegiados para conhecê-los, mas ou esconderam-se bem ou também tiveram uns voos atrasados. Fica para a próxima.

No próximo post seguimos mais para Norte da ilha, em San Teodoro.

Standard
Andanças

Itália – Roma

Neste ano o nosso Verão começou na Itália, mais concretamente na “cidade eterna”, a sua milenar capital Roma; foi a primeira etapa desta viagem que tinha como principal objectivo desfrutar da beleza e das praias da ilha da Sardenha, de que vou falar no post seguinte.

Enfatize-se o “Verão” do parágrafo anterior, pois aterramos bem no meio da vaga de calor que atacou o centro da Europa: o termómetro andou sempre à volta dos 36-38 graus (!), o que dificultou um pouco os passeios que tínhamos planeado, mas ainda assim deu para conhecer alguns dos seus pontos principais.

Com esse calor todo, malas e crianças, optamos por apanhar um táxi no aeroporto de Ciampino, e aí tivemos um primeiro impacto negativo: supostamente o serviço de táxis do aeroporto é regulado e controlado, mas deparamo-nos com uma autêntica máfia. Há um preço de tabela de 30€ do aeroporto para o centro, sendo centro tudo o que esteja dentro da muralha aureliana. Ora, o apartamento que alugamos estava claramente no centro, o que era visível em todos os mapas que estavam escarrapachados na praça de táxis, mas os motoristas insistiam que não e que só por 50 nos levavam. Depois de algumas negociatas, lá apanhamos uma que fez o “favor” de nos levar por 40. Va bene. Depois disso, foi sempre pela app do myTaxi (agora FreeNow).

O segundo impacto já foi melhor, porque o apartamento era impecável, e inserido num bairro (Testaccio) bem localizado e bastante típico, ainda pouco “turistizado”, próximo q.b. de um metro (Pirâmide, onde está a pirâmide/túmulo de Caio Céstio), com um excelente mercado local e com o mais badalado bairro de Trastevere logo a seguir ao rio.

Infelizmente não conseguimos ver o Vaticano, porque no dia em que planeamos fazê-lo havia bastante disrupção devido a uma greve dos transportes. O Metro de Roma é barato e, apesar de ter apenas 3 linhas, prático q.b. (100 minutos por 1.5€, gratuito para a criançada com menos de 10 anos), mas tanto o metro quanto as estações estão (em geral) bastante mal-cuidados e são um verdadeiro buraco sufocante quando está calor.

Vimos o colosseo só de fora, porque as filas para entrar eram intermináveis e estavam paradas; a entrada é controlada e nos altifalantes era anunciado que ainda ia demorar algumas horas, incomportáveis com os tais quase quarenta graus de temperatura. Para furar a fila com um guia tínhamos que deixar lá um rim, portanto ficou para a próxima. Mesmo de fora, dá para ficar arrebatado com a imponência da obra.

Algo que ainda assim ajudou muito a suportar as caminhadas que fomos fazendo são as 2554 (!) fontes de água potável que a cidade tem, resistentes do tempo do Império, com água fresca sempre a correr para beber ou molhar carecas suadas como a minha.

Passados dois dias, saímos de lá com sentimentos mistos.

De positivo:

  • As partes históricas (Coliseu, Panteão, Fórum Romano, a mais “recente” Piazza di Spagna e os Spanish Steps), além de muito bem conservadas, impressionam
  • Autenticidade dos bairros e dos romanos, em grande parte fiéis aos estereótipos (ex. falar alto e com as mãos)
  • Esperava que fosse só fama, mas os gelatos são mesmo espectaculares, em todo o lado, não comi um único gelado ruim!

De negativo:

  • As greves e confusões nos transportes que apanhamos, mas deu para nos sentirmos em casa 🙂
  • Sobrelotação de turistas, mas está na época
  • Sujeira em geral da cidade, miséria (muita, muita mendicidade)

Fica o compromisso de ver tudo com mais calma num Inverno futuro, até porque atiramos todos a moedinha na Fontana di Trevi, o que significa que lá teremos de voltar.

Standard