Uncategorized

Favismo

Pois é, qualquer dia tenho que fazer mesmo um spin-off deste blog só para falar de doenças mais ou menos esquisitas. Senhoras e senhores, depois das amigdalectomias, da PTI e das hérnias, apresento-vos o favismo.

Quando pensamos que já nada nos pode surpreender, eis que de um momento para o outro, numa quarta-feira de Abril como outra qualquer (tirando estarmos a meio de uma pandemia, mas isso é a tal nova normalidade), começo a sentir-me fraco. Muito fraco.

Na quinta, mais fraco ainda, mal me levantando da cama e com dores de cabeça à mistura, suspeitando já do corona-bicho ter invadido o meu corpo, e na sexta, o susto derradeiro: cada vez que ia ao WC, ao invés de mijar… mijo, saía de dentro de mim um liquído que mais se assemelhava a vinho do Porto.

Além disso, e isso foi algo em que eu nem reparei mas que assustou (ainda mais) a minha querida esposa, estava amarelo em geral e no “branco dos olhos” em particular. Telefonema para a Saúde 24 como manda a lei, encaminhamento para o Hospital Garcia da Orta, de onde só saí uma semana depois…

O diagnóstico do que tinha na altura foi bem rápido, eu estava com uma forte anemia hemolítica e aquela urina não tinha sangue, mas estava com aquela bonita cor devido aos meus glóbulos vermelhos estarem a rebentar. O motivo disso estar a acontecer é que demorou a confirmar, porque a análise em causa é relativamente rara e foi enviada para um laboratório externo, e os laboratórios neste momento estão sobrecarregados por razões óbvias; mas a primeira médica que me observou desconfiou logo do problema, e confesso que me senti num episódio do Dr. House quando ela me perguntou “comeu favas?”.

Sim, tinha comido. À bruta. Ao almoço e ao jantar, no dia anterior (sou o único aqui em casa que gosto GOSTAVA de favas).

Então sucede que tenho favismo, uma condição genética que faz com que eu não tenha uma enzima chamada Glicose-6-fosfato desidrogenase (G6PD) e que é suposto proteger os glóbulos vermelhos de algumas substâncias existentes em certos elementos, e principalmente, nas p**** tas das favas.

Já tinha comido favas algumas vezes na vida, mas não tantas quanto isso (não é algo comum ou sequer conhecido no Brasil), e pelos vistos nunca em quantidade ou nas condições suficientes para me causar a reacção que causou desta vez.

Não cheguei ao ponto de ter que levar uma transfusão mas tive perto, tive um episódio de desmaio na primeira manhã pós-isolamento antes de vir o resultado do meu teste do covid (veio negativo), mas felizmente fui muito bem tratado no Garcia, e senti-me sempre, sempre seguro, com os milhentos cuidados e trabalhos acrescidos que eles tem neste momento devido ao covid.

Com isto descobri que essa doença existe, que vou ter que viver com ela e nunca mais ingerir ou passar perto desse alimento que outrora me fez as delícias, e que desde tempos imemoriais que ele é de má fama por causa destas e de outras, o famoso Pitágoras considerava-os inclusivé um símbolo da morte!

Tudo está bem quando acaba bem, e não posso deixar de terminar com o trocadilho mais previsível possível: calhou-me a fava.

Standard

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.