Andanças

Barcelona

A última etapa desta nossa viagem de verão foi na Catalunha; com a (semi) volta que demos à ilha não fazia sentido voltar para Cagliari, tendo Alghero um aeroporto ali à mão de semear (a ilha tem três aeroportos, além dos já referidos, também se voa de e para Olbia). Estando Barcelona logo ali do outro lado do Mediterrâneo e mais na direcção de Portugal do que a Itália continental, decidimos juntar o útil ao agradável e conhecer mais uma emblemática cidade.

Não pernoitamos por lá, mas deu para aproveitar bem o dia, porque o nosso voo de Alghero para Barcelona foi logo pela manhãzinha, e o regresso para Lisboa só estava marcado para as 21 (e ainda viria a atrasar mais, como tem sido apanágio da TAP – Take Another Plane).

Desta vez deixamos as bagagens logo no aeroporto, que tem um serviço bastante prático para o efeito, apesar de algo caro: 10€ por cada item, independentemente do tamanho dos mesmos, com desconto de 25% acima de 4 itens. Acontece que tínhamos 2 assentos automóveis de 10€ que compramos no hipermercado para fintar as taxas absurdas do rent-a-car (cerca de 150€ por assentos do mesmo nível), e obviamente não íamos pagar o que eles valiam para guardá-los por algumas horas. Optamos por deixá-los debaixo de uns bancos de uma sala de espera, e quando regressamos à noite lá estavam eles, intactos à nossa espera. Fácil.

A impressão com que ficamos do aeroporto e dos sistemas de transporte de Barcelona é diametralmente oposta à de Roma: o sistema de Metro funciona extremamente bem, está completamente integrado no aeroporto em si (que é gigantesco), e é tudo muito bem sinalizado e com ar renovado. Começamos a visita na Plaça de Catalunya, descemos a famosa e interessantíssima La Rambla, onde comemos umas tapas que nos souberam pela vida (tendo saído de Alghero às 7 da matina, a fome era negra), e aqui descobrimos também o nosso local favorito do dia, de longe: o mercado La Boquería. A beleza das bancadas, a variedade e qualidade de comes e bebes por baixo custo, tudo ali me encantou, e via-me facilmente a ir lá todos os dias, se estivesse por perto.

Como nem tudo são rosas, tanto no Metro quanto no mercado vimos dois furtos de carteiristas, o que nos deixou meio apreensivos para o resto do dia; em cerca de 7 horas a passear na cidade, 2 furtos dá uma média… “interessante”.

Fizemos uma caminhada igualmente épica e inglória até ao Parque Guell, do qual só vimos o exterior, porque não tínhamos marcação e as entradas estavam completamente programadas e cheias, com a primeira a acontecer para dali a muito mais horas do que a as que estaríamos dispostos a esperar, com o calor que estava. Dali um MyTaxi até La Sagrada Familia, que está/estava em obras, mas que não deixa de ser uma obra impressionante.

Ficou faltando (entre outras coisas, obviamente) a zona do Porto Velho e de La Barceloneta e a sua praia, que ficarão para outras andanças.

Standard

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.