Cinemadas, Desportadas

The Two Escobars

Em mais uma incursão televisiva dominical, apanhei um grande documentário na ESPN, The Two Escobars. Quem tiver esse canal fique atento, que tem sido repetido.

Como o título indica, o filme aborda a história dos dois Escobars colombianos mais famosos dos anos 90: o barão da droga Pablo Escobar, e o capitão da selecção de futebol, Andrés Escobar, assassinado após marcar um auto-golo no mundial de 94.

Eu já conhecia o trágico fim do Andrés, mas a história tem contornos muito mais complicados. O documentário é muito objectivo: mostra o trajecto de Pablo e a sua ascensão como maior traficante à escala mundial (chegou a ser o sexto homem mais rico do mundo), o trajecto brilhante de Andrés e da sua selecção até à copa, e desvenda como os dois mundos estavam relacionados: o dinheiro da droga era investido (e lavado) nos clubes e em campos de futebol, e chegou-se ao cúmulo da selecção ser obrigada a fazer um jogo contra a equipa do estabelecimento prisional onde Pablo estava “alojado”. Alojado é mesmo o termo: La Catedral era uma prisão de luxo, mandada construir segundo as indicações do próprio Escobar.

A péssima imagem internacional da Colômbia era atenuada pelos feitos da sua selecção de futebol, e o povo acorria em massa aos estádios para aclamar os seus heróis, o seu único vislumbre de alegria em meio à escalada de violência que irrompia pelas ruas. O assassinato de Pablo Escobar pela milícia Los Pepes (Perseguidos por Pablo Escobar), ao invés de atenuar essa violência, aumentou o caos nas ruas. Sem o líder da mão firme, surgiram em toda a parte pequenos cartéis e passou-se a viver um clima de verdadeira guerra civil. À altura, a taxa de assassinato suplantou a do Kosovo como a maior à escala mundial.

Um dos efeitos colaterais desse caos foi o próprio desnorte da selecção nos Estados Unidos e o assassinato de Andrés à saída de uma discoteca, perpetrado por dois traficantes pertencentes aos Pepes. Andrés tinha casamento marcado para o mês seguinte, e um contrato assinado com o AC Milan.

É estranho pensar na alegria que eu senti ao ver o Brasil campeão mundial depois de 24 anos de jejum, e da tristeza paralela que assombrou a Colômbia. Tudo podia ter sido bem diferente, pois a selecção colombiana tinha legítimas aspirações de ser campeã, tendo se apresentado com um futebol de sonho e apenas uma derrota em 28 jogos, incluindo uma vitória de 5-0 sobre a Argentina nas qualificações. Nunca mais conseguiram participar num mundial desde então.

Não conhecia os dois realizadores, Jeff e Michael Zimbalist, que ao que parece também possuem um documentário passado na minha terra natal muito aclamado, Favela Rising. A ver.

Standard

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.