Uncategorized

Madeira, Dia 0

A Madeira arrebata-nos por completo, desde o início. A aterragem pode meter algum medo (a Irina que o diga), mas é das mais belas que pode haver: de um lado, a imensidão do mar, do outro, a verde imponência da ilha. Belíssimo.


Vista do Aeroporto da Madeira

Fomos recebidos com um calor infernal, agravado pela humidade tropical da ilha. Os graus que cá se registam são enganadores; uns 26 daqui equivalem a uns 30 do continente, sem qualquer tipo de exagero.

Mal descarregamos a trouxa em Gaula, mergulhinho em Santa Cruz para refrescar. Nada a ver com o gelo da Caparica; dizem que a diferença é que a temperatura do mar é muito parecida com a temperatura do exterior, mas eu não acredito que seja isso por si só, acho que a água é mesmo bem melhor.

Como chegamos cedo, ainda demos uma voltinha no Funchal para descontrair e apalpar terreno. Ao contrário dos tempos antigos, agora vai-se a qualquer lado num instantinho, graças aos inúmeros túneis que perfuram a ilha.

E abençoada ilha esta.

Standard

2 thoughts on “Madeira, Dia 0

  1. Y. says:

    E o Sporting! E o Marítimo!

    Lá vem, lá vem
    Os nossos maravilhas
    Os endiabrados
    Campeões das ilhas

    Não há, não há
    Não há, outro igual
    Como o Marítimo
    O mais popular !

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.