Teatradas

Tangos e Tragédias

Quando ouvirem falar que este espectáculo está em cartaz, não hesitem. Só não aconselho que escolham a primeira fila, porque o risco de serem arrastados para o palco é maior.

Já é a minha segunda vez, e soube ainda melhor que a primeira. É completamente diferente de tudo o que já tenha visto; a melhor descrição que consigo arranjar para estes dois é: são completamente tresloucados, passados, possuídos.

São cerca de duas horas em que Maestro Pletskaya e Kraunus Sang vão contando a história do seu país imaginário, a Sbornia, cantando e desvirtuando músicas antigas e actuais ao som do violino e do acordeão, e convidando (ou obrigando) o público a participar nos diversos números, seja cantando, gritando, estalando os dedos ou simulando o vómito.

A loucura extravasa o palco; no final, o público é convidado a continuar com a festa na rua! Na sexta-feira um rebanho de gente seguiu os dois para o meio da Avenida da Liberdade, para cantar Bob Marley misturado com o Tiro Liro Liro. Até houve arrumadores de carros entrando na festa.

Cada vez me convenço mais que o teatro é a mais nobre forma de representação; por mais que ame o cinema, e que um grande filme me absorva, o feeling de assistir a uma boa peça é incomparável.

Standard

One thought on “Tangos e Tragédias

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.